JESUS CRISTO, REI UNIVERSAL – O fecho do ano litúrgico faz-se com a celebração da festa de Cristo-Rei. A realeza de Cristo não é uma afirmação de poder, é uma garantia do amor que Cristo, dando a vida, oferece a todos os homens. Pilatos, no julgamento, perguntara a Jesus: “Tu és Rei?” Ao que Jesus respondeu “É verdade, sou Rei, mas a minha realeza não é deste mundo. Se eu o fosse, estariam aqui os meus soldados para me defender”. Esta afirmação da realeza de Cristo é interpretada na liturgia de hoje com três expressões muito significativas: ele é o Pastor das ovelhas, diz o profeta Ezequiel; Ele é o Juiz cheio de misericórdia, diz o Evangelho de Mateus; Ele é o Senhor universal, a partir da Ressurreição, diz Paulo na Carta aos Coríntios. Com estas três expressões comprende-se melhor que Jesus, Rei universal, dá a vida para que todos tenham vida e vida em abundância.

1. O Pastor das Ovelhas
O profeta Ezequiel fala muito de ressurreição, de vitória sobre as mortes, de transformação do coração dos homens. Na leitura de hoje anuncia profeticamente a chegada do Messias que vem buscar as suas ovelhas, vigiando para que se não percam, guardando-as para que estejam protegidas, levando-as a pastos verdejantes para que se alimentem. A concluir, o profeta faz apelo à justiça, paradigma fundamental para o Rei do Universo, que tudo faz para dar a cada um aquilo a que ele tem direito.

2. O Juizo Final
Ao terminar o ano litúrgico, compreende-se a leitura do capítulo 25 de S. Mateus. Vale a pena recordar o retábulo de Miguel Angelo na Capela Sistina. A pintura de Miguel Angelo apresenta Jesus, Juiz no fim dos tempos. Porém, se há salvos e condenados, o Juiz que é Jesus Cristo, está sempre cheio de misericórdia. Ressalta nesta página do Evangelho o apelo de Jesus: “Vinde benditos de meu Pai! Recebei em herança o Reino que vos está preparado desde o princípio do mundo” (Mt 25,34). A razão de serem salvos está na nova encarnação de Cristo, “O que fizeres ao mais pequenino dos teus irmãos é a mim que o fazes” (Mt 25, 40). Se o Rei deu a vida para a todos salvar, cada um dos que aderem ao seu projecto dão a vida para salvar a todos. É uma realeza diferente, é uma realeza espiritual.

3. A certeza da Ressurreição
A originalidade da realeza de Cristo está no facto d’Ele ter vencido a morte. S. Paulo, na primeira Carta aos Coríntios, faz uma síntese maravilhosa, quando diz: “Cristo ressuscitou dos mortos; em Adão todos morreram, mas em Cristo todos ressuscitam; a adesão a Cristo é progressiva, todos podem chegar a ela pela fé; tudo isto para que Deus seja tudo em todos” (Cf. 1Cor 15, 20-22).

Monsenhor Vítor Feytor Pinto

****************************************************************

LITURGIA DA PALAVRA:

«VINDE, BENDITOS DE MEU PAI,

PORQUE  TIVE FOME E DESTES-ME DE COMER»

                                                                                        (Mt 25, 34-35)

I LEITURA – Ez 34, 11-12.15-17

A figura do BomPastor: «Eu próprio irei em busca das minhas ovelhas.»

Leitura da Profecia de Ezequiel
Eis o que diz o Senhor Deus: «Eu próprio irei em busca das minhas ovelhas e hei-de encontrá-las. Como o pastor vigia o seu rebanho, quando estiver no meio das ovelhas que andavam tresmalhadas, assim Eu guardarei as minhas ovelhas, para as tirar de todos os sítios em que se desgarraram num dia de nevoeiro e de trevas. Eu apascentarei as minhas ovelhas, Eu as levarei a repousar, diz o Senhor Deus. Hei-de procurar a que anda perdida e reconduzir a que anda tresmalhada. Tratarei a que estiver ferida, darei vigor à que andar enfraquecida e velarei pela gorda e vigorosa. Hei-de apascentá-las com justiça. Quanto a vós, meu rebanho, assim fala o Senhor Deus: Hei-de fazer justiça entre ovelhas e ovelhas, entre carneiros e cabritos».
Palavra do Senhor.

SALMO – 22 (23), 1-2a.2b-3.5-6 (R. 1)

Refrão: O Senhor é meu pastor: nada me faltará.  Repete-se

O Senhor é meu pastor: nada me falta.
Leva-me a descansar em verdes prados,
conduz-me às águas refrescantes
e reconforta a minha alma. Refrão

Ele me guia por sendas direitas,
por amor do seu nome.
Ainda que tenha de andar por vales tenebrosos
não temerei nenhum mal, porque Vós estais comigo. Refrão

Para mim preparais a mesa
à vista dos meus adversários;
com óleo me perfumais a cabeça
e o meu cálice transborda. Refrão

A bondade e a graça hão-de acompanhar-me,
todos os dias da minha vida,
e habitarei na casa do Senhor
para todo o sempre. Refrão

II LEITURA – I Cor 15, 20-26.28

«Quando todas as coisas Lhe forem submetidas, então também o próprio Filho Se há-de submeter Àquele que Lhe submeteu todas as coisas.».

Leitura da Primeira Epístola do Apóstolo S. Paulo aos Coríntios
Irmãos: Cristo ressuscitou dos mortos, como primícias dos que morreram. Uma vez que a morte veio por um homem, também por um homem veio a ressurreição dos mortos; porque, do mesmo modo que em Adão todos morreram, assim também em Cristo serão todos restituídos à vida. Cada qual, porém, na sua ordem: primeiro, Cristo, como primícias; a seguir, os que pertencem a Cristo, por ocasião da sua vinda. Depois será o fim, quando Cristo entregar o reino a Deus seu Pai, depois de ter aniquilado toda a soberania, autoridade e poder. É necessário que Ele reine, até que tenha posto todos os inimigos debaixo dos seus pés. E o último inimigo a ser aniquilado é a morte. Quando todas as coisas Lhe forem submetidas, então também o próprio Filho Se há-de submeter Àquele que Lhe submeteu todas as coisas, para que Deus seja tudo em todos.
Palavra do Senhor.

ALELUIA – Mc 11, 9.10

Refrão: Aleluia. Repete-se

Bendito O que vem em nome do Senhor!
Bendito o reino do nosso pai David! Refrão

EVANGELHO – Mt 25, 31-46

Jesus retoma nesta leitura a mesma imagem atribuída a Deus na primeira leitura, a imagem do pastor.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Quando o Filho do homem vier na sua glória com todos os seus Anjos, sentar-Se-á no seu trono glorioso. Todas as nações se reunirão na sua presença e Ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos; e colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda. Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: ‘Vinde, benditos de meu Pai; recebei como herança o reino que vos está preparado desde a criação do mundo. Porque tive fome e destes-Me de comer; tive sede e destes-Me de beber; era peregrino e Me recolhestes; não tinha roupa e Me vestistes; estive doente e viestes visitar-Me; estava na prisão e fostes ver-Me’. Então os justos Lhe dirão: ‘Senhor, quando é que Te vimos com fome e Te demos de comer, ou com sede e Te demos de beber? Quando é que Te vimos peregrino e Te recolhemos, ou sem roupa e Te vestimos? Quando é que Te vimos doente ou na prisão e Te fomos ver?’. E o Rei lhes responderá: ‘Em verdade vos digo: Quantas vezes o fizestes a um dos meus irmãos mais pequeninos, a Mim o fizestes’. Dirá então aos que estiverem à sua esquerda: ‘Afastai-vos de Mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o Diabo e os seus anjos. Porque tive fome e não Me destes de comer; tive sede e não Me destes de beber; era peregrino e não Me recolhestes; estava sem roupa e não Me vestistes; estive doente e na prisão e não Me fostes visitar’. Então também eles Lhe hão-de perguntar: ‘Senhor, quando é que Te vimos com fome ou com sede, peregrino ou sem roupa, doente ou na prisão, e não Te prestámos assistência?’. E Ele lhes responderá: ‘Em verdade vos digo: Quantas vezes o deixastes de fazer a um dos meus irmãos mais pequeninos, também a Mim o deixastes de fazer’. Estes irão para o suplício eterno e os justos para a vida eterna».
Palavra da salvação.