Epifania quer dizer manifestação. Jesus tinha nascido em Belém. Fora anunciado aos pastores que vieram cantar hinos de louvor. Os habitantes da pequena cidade de Belém, já se tinham dado conta de que aquele Menino era diferente. Tinham vindo também adorá-l’O. Impunha-se, por isso, a manifestação de Jesus a toda a Humanidade. A lindíssima história dos Reis Magos é reveladora desta manifestação universal. Jesus manifestou-se a todos os continentes. Os Magos eram de raças diferentes: um preto, outro amarelo, outro branco. Os continentes, então conhecidos eram a África, a Ásia e a Europa. Os Magos eram de todas as idades da vida, um jovem, um adulto, um velho de barbas brancas. Todos reconheciam a grandeza do Deus feito Menino. Por isso lhe ofereceram ouro, incenso e mirra, expressão da sua realeza, da sua divindade e da sua humanidade. Mas os detentores do poder tinham receio de perdê-lo. Herodes quis inteirar-se do lugar onde nascia o Menino. Dizia, para ir adorá-l’O. A hipocrisia de quem queria livrar-se de Jesus foi entendida pelos Magos que regressaram a suas casas por outro caminho. Nesta história lindíssima que a catequese de Mateus introduz no Evangelho, ficou na tradição de todos os povos como sinal da universalidade da mensagem que Jesus vem trazer. Jesus não se manifesta apenas aos judeus, manifesta-se também aos gentios, vai ser anunciado a todas as nações.

A liturgia desta festa da Epifania é reveladora de três manifestações: a manifestação da glória de Jerusalém, cantada por Isaías; a manifestação da realeza de Jesus, na catequese dos Magos que vieram do Oriente; a manifestação da divindade de Cristo, feita a Paulo Apóstolo e por Ele feita a todas as nações da terra.

A glória de Jerusalém, anunciada por Isaías, é a garantia de que o Povo de Israel apesar das suas dificuldades e até dos seus pecados, foi escolhido para trazer à Humanidade o Redentor. Cantar a glória de Jerusalém, é já cantar a glória do Messias que havia de chegar ao mundo como Salvador.

A manifestação de Jesus aos Magos do Oriente, é o sinal de que a mensagem do evangelho trazido por Jesus, não tem fronteiras “todos os povos da terra, verão a salvação do nosso Deus”. Na Carta aos Efésios também Paulo diz que Jesus lhe foi manifestado. A estrada de Damasco foi para ele o momento da grande revelação. Depois de conhecer Jesus a quem perseguira, o seu caminho passou a ser de fidelidade incondicional ao Evangelho. Em três viagens apostólicas manifestou Jesus em todos os lugares e a todas as pessoas com quem cruzou a vida.

Nesta festa da Epifania cada cristão pode perguntar-se duas coisas: se aceitou a manifestação de Jesus, numa entrega incondicional, e se está disposto a manifestar Jesus proclamando em todas as circunstâncias. Cada cristão tem o dever de ser Epifânia. É nisso que se torna apóstolo, sal que tempera todas as coisas, luz que ilumina todas as situações: “Vós sois o sal da terra, vós sois a luz do mundo” (Mt 5, 13).

Comentários de Monsenhor Vítor Feytor Pinto 
********************************************************* 

LITURGIA DA PALAVRA:

«Onde está o rei dos judeus que acaba de nascer?

 Nós vimos a sua estrela no Oriente

e viemos adorá-l’O»

(Mt 2, 2)

I LEITURA – Is 60, 1-6

«Levanta-te e resplandece, Jerusalém, porque brilha sobre ti a glória do Senhor»

Leitura do Livro de Isaías
Levanta-te e resplandece, Jerusalém, porque chegou a tua luz e brilha sobre ti a glória do Senhor. Vê como a noite cobre a terra e a escuridão os povos. Mas, sobre ti levanta-Se o Senhor e a sua glória te ilumina. As nações caminharão à tua luz e os reis ao esplendor da tua aurora. Olha ao redor e vê: todos se reúnem e vêm ao teu encontro; os teus filhos vão chegar de longe e as tuas filhas são trazidas nos braços. Quando o vires ficarás radiante, palpitará e dilatar-se-á o teu coração, pois a ti afluirão os tesouros do mar, a ti virão ter as riquezas das nações. Invadir-te-á uma multidão de camelos, de dromedários de Madiã e Efá. Virão todos os de Sabá, trazendo ouro e incenso e proclamando as glórias do Senhor.
Palavra do Senhor.

 Salmo 71 (72), 2.7-8.10-11.12-13 (R. cf. 11)

Refrão: Virão adorar-Vos, Senhor,
todos os povos da terra. Repete-se

Ó Deus, concedei ao rei o poder de julgar
e a vossa justiça ao filho do rei.
Ele governará o vosso povo com justiça
e os vossos pobres com equidade. Refrão

Florescerá a justiça nos seus dias
e uma grande paz até ao fim dos tempos.
Ele dominará de um ao outro mar,
do grande rio até aos confins da terra. Refrão

Os reis de Társis e das ilhas virão com presentes,
os reis da Arábia e de Sabá trarão suas ofertas.
Prostrar-se-ão diante dele todos os reis,
todos os povos o hão-de servir. Refrão

Socorrerá o pobre que pede auxílio
e o miserável que não tem amparo.
Terá compaixão dos fracos e dos pobres
e defenderá a vida dos oprimidos. Refrão

II LEITURA – Ef 3, 2-3a.5-6

S. Paulo proclama que todos os homens são chamados, igualmente, a ser herdeiros da Promessa.

Leitura da Epístola do Apóstolo São Paulo aos Efésios
Irmãos: Certamente já ouvistes falar da graça que Deus me confiou a vosso favor: por uma revelação, foi-me dado a conhecer o mistério de Cristo. Nas gerações passadas, ele não foi dado a conhecer aos filhos dos homens como agora foi revelado pelo Espírito Santo aos seus santos apóstolos e profetas: os gentios recebem a mesma herança que os judeus, pertencem ao mesmo corpo e participam da mesma promessa, em Cristo Jesus, por meio do Evangelho.
Palavra do Senhor.

 ALELUIA – Mt 2, 2

Refrão: Aleluia. Repete-se

Vimos a sua estrela no Oriente
e viemos adorar o Senhor. Refrão

EVANGELHO – Mt 2, 1-12

A adoração dos magos.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Tinha Jesus nascido em Belém da Judeia, nos dias do rei Herodes, quando chegaram a Jerusalém uns Magos vindos do Oriente. «Onde está – perguntaram eles – o rei dos judeus que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-l’O». Ao ouvir tal notícia, o rei Herodes ficou perturbado e, com ele, toda a cidade de Jerusalém. Reuniu todos os príncipes dos sacerdotes e escribas do povo e perguntou-lhes onde devia nascer o Messias. Eles responderam: «Em Belém da Judeia, porque assim está escrito pelo Profeta: ‘Tu, Belém, terra de Judá, não és de modo nenhum a menor entre as principais cidades de Judá, pois de ti sairá um chefe, que será o Pastor de Israel, meu povo’». Então Herodes mandou chamar secretamente os Magos e pediu-lhes informações precisas sobre o tempo em que lhes tinha aparecido a estrela. Depois enviou-os a Belém e disse-lhes: «Ide informar-vos cuidadosamente acerca do Menino; e, quando O encontrardes, avisai-me, para que também eu vá adorá-l’O». Ouvido o rei, puseram-se a caminho. E eis que a estrela que tinham visto no Oriente seguia à sua frente e parou sobre o lugar onde estava o Menino. Ao ver a estrela, sentiram grande alegria. Entraram na casa, viram o Menino com Maria, sua Mãe, e, prostrando-se diante d’Ele, adoraram-n’O. Depois, abrindo os seus tesouros, ofereceram-Lhe presentes: ouro, incenso e mirra. E, avisados em sonhos para não voltarem à presença de Herodes, regressaram à sua terra por outro caminho.
Palavra da salvação.