TEMPO DE ADVENTO, TEMPO DE ESPERANÇA –  O Ano Litúrgico começa com o ciclo do Natal. Nele celebramos o Nascimento de Jesus. Tem porém três tempos: o Advento, que prepara para celebrar-se o Nascimento de Jesus, o Natal que permite reviver o mistério do Nascimento e a Epifania tempo da manifestação de Jesus como Messias Senhor. A espera do Salvador caracteriza os quatro primeiros domingos do Ano Liturgico. São companheiros de caminho Isaías, João Baptista e Maria, mãe de Jesus. Cada um destes à sua maneira, prepara a comunidade cristã para a memória do Nascimento. Isaías faz uma profecia “Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho” (Is 7, 14). João Baptista é o percursor que vem aplanar os caminhos, despertando a comunidade para a chegada do Redentor. Maria, na sua disponibilidade para o projecto de Deus, soube dizer sim, e dela nasceu o Salvador. Neste primeiro domingo meditam-se três textos, indicando três atitudes fundamentais: a confiança em Deus, o profeta Isaías; a vigilância dos cristãos, no Evangelho de S. Marcos; a esperança num mundo novo, na primeira Carta aos Coríntios.

1. A confiança no Pai Redentor
Com expressões muito fortes, Isaías reconhece em Deus o Senhor que vem para salvar o seu povo. Com uma súplica extremamente exigente, o profeta diz: “Voltai Senhor, por amor dos vossos servos” (Is 63, 17). É o amor a razão invocada pelo profeta para que o Senhor venha ao encontro dos seus servos. O Senhor pede-lhes que pratiquem a justiça. Isaías reconhece que todos são impuros, que todos caem, mas Deus que é Pai, e que conhece os seus servos, sabendo do barro em que cada um é feito, não deixa de acolher, de compreender, de apoiar, de salvar. Este amor de Deus é a razão de uma confiança ilimitada, qualquer que seja a história de cada um.

2. Estar vigilantes
Este apelo vai-se repetindo, ao longo de todos os Evangelhos. A expressão mais conhecida, na boca de Jesus é esta: “vigiai e orai para não entrardes em tentação”. Na fórmula de Marcos, o Evangelho do ano, a expressão é mais simples: “Estai sempre vigilantes” (Mc 13, 33). A razão desta atenção constante é apenas esta: “Não sabemos a que horas chega o Senhor”. Neste apelo repetido à vigilância, o evangelista quer despertar a atenção dos cristãos para a normal distracção em que se anda envolvido. Na proximidade do Natal é preciso despertar, compreender as exigências do Senhor que vem, corresponder-lhe com toda a generosidade, abrir o coração para as exigências do Evangelho, a Boa-Nova que o Senhor virá trazer.

3. Chamados a estar com Cristo
Não basta a confiança e a vigilância, é fundamental transformar tudo numa atitude de esperança no mundo novo que, a partir de Jesus, é possível construir. Na primeira Carta aos Coríntios, Paulo começa por desejar a graça e a paz. Depois desafia a ter esperança na manifestação de Cristo, finalmente indica que o caminho é a comunhão radical com Cristo. Neste texto muito simples, S. Paulo utiliza três expressões: a graça e a paz que vêm de Cristo, a manifestação de Cristo aos outros, a comunhão com Cristo que transforma todas as coisas. É nesta perspectiva que se constrói o mundo novo.

Monsenhor Vítor Feytor Pinto
------------------------------------------
LITURGIA DA PALAVRA:

VIGIAI, PORTANTO,

VISTO QUE NÃO SABEIS QUANDO VIRÁ O DONO DA CASA»

(Mc 13, 35)

I LEITURA – Is 63, 16b-17.19b; 64, 2b-7

«Porque nos deixais, Senhor, desviar dos vossos caminhos? Voltai, por amor dos vossos servos»

Leitura do Livro de Isaías
Vós, Senhor, sois nosso Pai e nosso Redentor, desde sempre, é o vosso nome. Porque nos deixais, Senhor, desviar dos vossos caminhos e endurecer o nosso coração, para que não Vos tema? Voltai, por amor dos vossos servos e das tribos da vossa herança. Oh se rasgásseis os céus e descêsseis! Ante a vossa face estremeceriam os montes! Mas vós descestes e perante a vossa face estremeceram os montes. Nunca os ouvidos escutaram, nem os olhos viram que um Deus, além de Vós, fizesse tanto em favor dos que n’Ele esperam. Vós saís ao encontro dos que praticam a justiça e recordam os vossos caminhos. Estais indignado contra nós, porque pecámos e há muito que somos rebeldes, mas seremos salvos. Éramos todos como um ser impuro, as nossas acções justas eram todas como veste imunda. Todos nós caímos como folhas secas, as nossas faltas nos levavam como o vento. Ninguém invocava o vosso nome, ninguém se levantava para se apoiar em Vós, porque nos tínheis escondido o vosso rosto e nos deixáveis à mercê das nossas faltas. Vós, porém, Senhor, sois nosso Pai e nós o barro de que sois o Oleiro; somos todos obra das vossas mãos.
Palavra do Senhor.

SALMO – 79 (80), 2ac e 3b. 15-16.18-19 (R. 4)

Refrão: Senhor nosso Deus, fazei-nos voltar,
mostrai-nos o vosso rosto e seremos salvos. Repete-se

Pastor de Israel, escutai,
Vós que estais sentado sobre os Querubins, aparecei.
Despertai o vosso poder
e vinde em nosso auxílio. Refrão

Deus dos Exércitos, vinde de novo,
olhai dos céus e vede, visitai esta vinha.
Protegei a cepa que a vossa mão direita plantou,
o rebento que fortalecestes para Vós. Refrão

Estendei a mão sobre o homem que escolhestes,
sobre o filho do homem que para Vós criastes;
e não mais nos apartaremos de Vós:
fazei-nos viver e invocaremos o vosso nome. Refrão

II LEITURA – I Cor 1, 3-9

«Fiel é Deus, por quem fostes chamados à comunhão com seu Filho, Jesus Cristo, Nosso Senhor.»

Leitura da Primeira Epístola do Apóstolo S. Paulo aos Coríntios
Irmãos: A graça e a paz vos sejam dadas da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. Dou graças a Deus, em todo o tempo, a vosso respeito, pela graça divina que vos foi dada em Cristo Jesus. Porque fostes enriquecidos em tudo: em toda a palavra e em todo o conhecimento; e deste modo, tornou-se firme em vós o testemunho de Cristo. De facto, já não vos falta nenhum dom da graça, a vós que esperais a manifestação de Nosso Senhor Jesus Cristo. Ele vos tornará firmes até ao fim, para que sejais irrepreensíveis no dia de Nosso Senhor Jesus Cristo. Fiel é Deus, por quem fostes chamados à comunhão com seu Filho, Jesus Cristo, Nosso Senhor.
Palavra do Senhor.

ALELUIA – Salmo 84 (85), 8

Refrão: Aleluia. Repete-se

Mostrai-nos, Senhor, a vossa misericórdia
e dai-nos a vossa salvação. Refrão

EVANGELHO – Mc 13, 33-37

«Vigiai!»

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Acautelai-vos e vigiai, porque não sabeis quando chegará o momento. Será como um homem que partiu de viagem: ao deixar a sua casa, deu plenos poderes aos seus servos, atribuindo a cada um a sua tarefa, e mandou ao porteiro que vigiasse. Vigiai, portanto, visto que não sabeis quando virá o dono da casa: se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo, se de manhãzinha; não se dê o caso que, vindo inesperadamente, vos encontre a dormir. O que vos digo a vós, digo-o a todos: Vigiai!».
Palavra da salvação.