VIVER EM ALEGRIA COM RAZÕES DE ESPERANÇA – Na proximidade do Nascimento de Jesus, o povo cristão é convidado a viver com uma alegria intensa, porque o Senhor está a chegar. Esta alegria é um dom do Espírito que vem, não das festas natalícias, nem das trocas de presentes, nem das luzes e cantares que enchem as ruas. Esta alegria está na certeza de que Jesus ao vir à História dos homens deu aos homens uma história nova, a da ternura de Deus que “amou de tal forma o mundo que lhe deu o seu próprio Filho”(Jo 3, 16). Na Liturgia da Palavra vale a pena começar pelo Evangelho que oferece o testemunho de João que, não sendo a luz, veio para anunciar a luz verdadeira que chega a este mundo. Pode continuar-se com a leitura de Pedro, na sua Primeira Carta, em que todos são convidados a preparar-se para a vinda do Senhor. Esta preparação não pode fazer-se apenas em pormenores secundários. É a vida toda que tem de renovar-se no Espírito para ter um coração capaz de ser fiel ao Senhor que vem. Elucidativo é o texto de Isaías que, falando do Espírito, vem convidar a atitudes novas, desafia a atitudes da maior exigência, dar a Boa Nova aos pobres, dar a liberdade aos cativos, dar a alegria a todos.

1. O testemunho de João
João Baptista, o percursor, pregava a penitência, convidava à mudança de vida, e significava a conversão com o baptismo da água. Os judeus querem conhecer a sua identidade e saberem se tem o direito de baptizar. Em resposta clara, João anuncia a sua identidade pela negativa: não é o Messias, não é Elias, não é um profeta. Diz então que é apenas uma voz que quer aplanar os caminhos de Deus. Quantos aceitam os desafios da sua pregação dão um sinal claro de mudança, é o baptismo da penitência. Porém, depois dele virá quem não baptiza apenas na água, mas baptiza também no Espírito. João dá testemunho de Jesus, o Salvador, enviado por Deus, tão grande para a salvação da Humanidade que ele, João, “não é digno de lhe desatar as correias das sandálias” (Jo 1, 27).

2. Preparar-se para a vinda do Senhor
S. Pedro quando escreve às suas comunidades é muito claro nas atitudes que pede aos crentes. Só através delas poderão preparar-se para a vinda do Senhor. Que atitudes são essas? Viver sempre alegres, orar sem cessar, dar graças a Deus, não apagar o Espírito, afastar-se de todo o mal, ser fiel ao Senhor, ter um viver irrepreensível. Impressiona imenso este elenco de atitudes, porque se os actuais cristãos vivessem com estes valores, o seu testemunho era tal que, eles próprios anunciavam que o Senhor já chegou. Pedro pede para prepararem-se para a vinda do Senhor mas, porque o Senhor já chegou, é cada cristão que deve viver ao ritmo que Pedro lhe propõe.

3. Dar a Boa Nova aos pobres
Os que se deixam conduzir pelo Espírito são esses os verdadeiros Filhos de Deus (cf. Rm 8, 14). Este dito de S.Paulo compreende-se melhor ao ler-se Isaías. O profeta convida a viver-se animado pelo Espírito. As consequências são revolucionárias: dar a Boa Nova aos pobres, dar a libertação aos oprimidos, dar a liberdade aos cativos, dar a vista aos cegos, dar alegria aos que sofrem (cf Is 61, 1-3). Este é um programa de vida tão importante que Cristo o retoma, como missão sua ao visitar a sinagoga de Nazaré (cf. Lc 4, 19-20). De facto se todos os cristãos seguissem esta proposta de missão o mundo tinha mesmo que ser melhor, com menos pobres, menos oprimidos, e com gente mais feliz. É bom deixar-se cada um conduzir pelo Espírito.

Monsenhor Vítor Feytor Pinto

**********************************************************************

LITURGIA DA PALAVRA:

APARECEU UM HOMEM ENVIADO POR DEUS, CHAMADO JOÃO.

 (Jo 1, 6)

I LEITURA – Is 61, 1-2a.10-11

O Espírito do Senhor está sobre mim, porque o Senhor me ungiu e me enviou a anunciar a boa nova aos pobres.

Leitura do Livro de Isaías
O espírito do Senhor está sobre mim, porque o Senhor me ungiu e me enviou a anunciar a boa nova aos pobres, a curar os corações atribulados, a proclamar a redenção aos cativos e a liberdade aos prisioneiros, a promulgar o ano da graça do Senhor. Exulto de alegria no Senhor, a minha alma rejubila no meu Deus, que me revestiu com as vestes da salvação e me envolveu num manto de justiça, como noivo que cinge a fronte com o diadema e a noiva que se adorna com as suas jóias. Como a terra faz brotar os germes e o jardim germinar as sementes, assim o Senhor Deus fará brotar a justiça e o louvor diante de todas as nações.
Palavra do Senhor.

SALMO – Lc 1, 46-48.49-50.53-54 (R. Is 61, 10b)

Refrão: Exulto de alegria no Senhor. Repete-se

Ou: A minha alma exulta no Senhor. Repete-se

A minha alma glorifica o Senhor
e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador,
porque pôs os olhos na humildade da sua serva:
de hoje em diante me chamarão bem-aventurada todas as gerações. Refrão

O Todo-poderoso fez em mim maravilhas:
Santo é o seu nome.
A sua misericórdia se estende de geração em geração
sobre aqueles que O temem. Refrão

Aos famintos encheu de bens
e aos ricos despediu-os de mãos vazias.
Acolheu a Israel, seu servo,
lembrado da sua misericórdia. Refrão

II LEITURA – I Tes 5, 16-24

S.Paulo tem sempre presente que fomos salvos pela paixão de Cristo, mas não tira daí uma espiritualidade dolorista: “Vivei sempre alegres”.

Leitura da Primeira Epístola do Apóstolo São Paulo aos Tessalonicenses
Irmãos: Vivei sempre alegres, orai sem cessar, dai graças em todas as circunstâncias, pois é esta a vontade de Deus a vosso respeito em Cristo Jesus. Não apagueis o Espírito, não desprezeis os dons proféticos; mas avaliai tudo, conservando o que for bom. Afastai-vos de toda a espécie de mal. O Deus da paz vos santifique totalmente, para que todo o vosso ser – espírito, alma e corpo – se conserve irrepreensível para a vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo. É fiel Aquele que vos chama e cumprirá as suas promessas.
Palavra do Senhor.

ALELUIA – Is 61, 1 (cf. Lc 4, 18)

Refrão: Aleluia. Repete-se

O Espírito do Senhor está sobre mim:
enviou-me a anunciar a boa nova aos pobres. Refrão

EVANGELHO – Jo 1, 6-8.19-28

O testemunho de João Baptista.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Apareceu um homem enviado por Deus, chamado João. Veio como testemunha, para dar testemunho da luz, a fim de que todos acreditassem por meio dele. Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz. Foi este o testemunho de João, quando os judeus lhe enviaram, de Jerusalém, sacerdotes e levitas, para lhe perguntarem: «Quem és tu?». Ele confessou a verdade e não negou; ele confessou: «Eu não sou o Messias». Eles perguntaram-lhe: «Então, quem és tu? És Elias?». «Não sou», respondeu ele. «És o Profeta?». Ele respondeu: «Não». Disseram-lhe então: «Quem és tu? Para podermos dar uma resposta àqueles que nos enviaram, que dizes de ti mesmo?». Ele declarou: «Eu sou a voz do que clama no deserto: ‘Endireitai o caminho do Senhor’, como disse o profeta Isaías». Entre os enviados havia fariseus que lhe perguntaram: «Então, porque baptizas, se não és o Messias, nem Elias, nem o Profeta?». João respondeu-lhes: «Eu baptizo na água, mas no meio de vós está Alguém que não conheceis: Aquele que vem depois de mim, a quem eu não sou digno de desatar a correia das sandálias». Tudo isto se passou em Betânia, além do Jordão, onde João estava a baptizar.
Palavra da salvação.