A RELAÇÃO PESSOAL COM DEUS – A oração faz parte essencial da vida cristã. É imprescindível na vida de cada um uma relação com Deus que se revista da intimidade indispensável. Fala-se de oração e muitos pensam na reza do rosário. Sente-se a necessidade da oração comunitária e todos se voltam para a Eucaristia Dominical ou mesmo diária. Por vezes centra-se a espiritualidade cristã numa multiplicidade de devoções onde não faltam as peregrinações a Fátima, ou mesmo a Roma e a Jerusalém. Todas esta coisas têm muito valor na relação do homem com Deus. Torna-se necessário, porém, estabelecer relações de intimidade com o Senhor, o que só é possível através da oração pessoal. O encontro com Deus face a face, falando com ele como um amigo fala a seu amigo, é fundamental para viver-se a vocação cristã com toda a exigência.  A oração é experiência vital de Deus, é diálogo sem intermediários, é tempo de comunhão, com o Pai, por Cristo, na força do Espírito Santo.
Elias procurava este encontro pessoal com Deus. Por isso se refugiou numa gruta no Monte Horeb à espera da chegada de Deus. Mas Deus não veio no vento, nem na tempestade, nem no fogo. Deus veio numa ligeira brisa da tarde e Elias pôde sair da gruta para o adorar. O cristão tem que saber captar a presença de Deus. Ele não traz tormentos, não é violento, nunca exige demais, Deus chega sempre carregado de ternura para confortar o crente e o convidar a gestos novos que podem fazer o cristão feliz.
Jesus, e era o Filho de Deus, também sentia a urgência de encontrar-se com o Pai. Despedia as multidões, mandava os discípulos entrar no barco e Ele subia ao monte para orar. A oração não o separava da vida dos seus discípulos. Por isso, na 4ª vigília da noite, foi ter com eles camminhando sobre as águas. Levantara-se uma tempestade naquele Mar de Tiberíades, e Ele queria estar ao lado deles naquela fase difícil da viagem. Muitos julgaram que era um fantasma, Pedro provocou-O querendo também caminhar sobre as águas. Todos eles tinham pouca fé. Jesus, porém, estava presente, acalmou a tempestade, interpelou os discípulos e caminhou com eles no barco até à outra mnargem. Para o cristão a oração tem este efeito. Jesus está sempre presente, acompanha e ajuda no tempo da dificuldade e caminha sempre garantindo protecção necessária a todo o que n’Ele confia com uma fé comprometida. É esta presença de Cristo, a quem se reserva algum tempo da vida, que constitui o segredo da oração. Pode falar-se com Ele como um amigo fala ao seu amigo, a resposta virá sempre com promessas de vida.
Monsenhor Vítor Feytor Pinto

***************************************************************************

«HOMEM DE POUCA FÉ, PORQUE DUVIDASTE?»

                                                                                   (Mt 14, 20)

I LEITURA – 1 Reis 19, 9a.11-13a

«O Senhor não estava no vendaval, nem no tremor de terra, nem no fogo»

Leitura do Primeiro Livro dos Reis
Naqueles dias, o profeta Elias chegou ao monte de Deus, o Horeb, e passou a noite numa gruta. O Senhor dirigiu-lhe a palavra, dizendo: «Sai e permanece no monte à espera do Senhor». Então, o Senhor passou. Diante d’Ele, uma forte rajada de vento fendia as montanhas e quebrava os rochedos; mas o Senhor não estava no vento. Depois do vento, sentiu-se um terramoto; mas o Senhor não estava no terramoto. Depois do terramoto, acendeu-se um fogo; mas o Senhor não estava no fogo. Depois do fogo, ouviu-se uma ligeira brisa. Quando a ouviu, Elias cobriu o rosto com o manto, saiu e ficou à entrada da gruta.
Palavra do Senhor.

SALMO – 84 (85), 9ab-10.11-12.13-14 

Refrão: Mostrai-nos, Senhor, o vosso amor e dai-nos a vossa salvação. Repete-se

Deus fala de paz ao seu povo e aos seus fiéis
e a quantos de coração a Ele se convertem.
A sua salvação está perto dos que O temem
e a sua glória habitará na nossa terra. Refrão

Encontraram-se a misericórdia e a fidelidade,
abraçaram-se a paz e a justiça.
A fidelidade vai germinar da terra
e a justiça descerá do Céu. Refrão

O Senhor dará ainda o que é bom
e a nossa terra produzirá os seus frutos.
A justiça caminhará à sua frente
e a paz seguirá os seus passos. Refrão

II LEITURA – Rom 9, 1-5

O destino do povo judeu

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Irmãos: Em Cristo digo a verdade, não minto, e disso me dá testemunho a consciência no Espírito Santo: Sinto uma grande tristeza e uma dor contínua no meu coração. Quisera eu próprio ser anátema, separado de Cristo para bem dos meus irmãos, que são do mesmo sangue que eu, que são israelitas, a quem pertencem a adopção filial, a glória, as alianças, a legislação, o culto e as promessas, a quem pertencem os Patriarcas e de quem procede Cristo segundo a carne, Ele que está acima de todas as coisas, Deus bendito por todos os séculos. Amen.
Palavra do Senhor.

ALELUIA – Salmo 129 (130), 5

Refrão: Aleluia. Repete-se

Eu confio no Senhor,
a minha alma espera na sua palavra. Refrão

EVANGELHO – Mt 14, 22-33

Jesus anda sobre as águas e segura Pedro.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo S. Mateus
Depois de ter saciado a fome à multidão, Jesus obrigou os discípulos a subir para o barco e a esperá-l’O na outra margem, enquanto Ele despedia a multidão. Logo que a despediu, subiu a um monte, para orar a sós. Ao cair da tarde, estava ali sozinho. O barco ia já no meio do mar, açoitado pelas ondas, pois o vento era contrário. Na quarta vigília da noite, Jesus foi ter com eles, caminhando sobre o mar. Os discípulos, vendo-O a caminhar sobre o mar, assustaram-se, pensando que fosse um fantasma. E gritaram cheios de medo. Mas logo Jesus lhes dirigiu a palavra, dizendo: «Tende confiança. Sou Eu. Não temais». Respondeu-Lhe Pedro: «Se és Tu, Senhor, manda-me ir ter contigo sobre as águas». «Vem!» – disse Jesus. Então, Pedro desceu do barco e caminhou sobre as águas, para ir ter com Jesus. Mas, sentindo a violência do vento e começando a afundar-se, gritou: «Salva-me, Senhor!». Jesus estendeu-lhe logo a mão e segurou-o. Depois disse-lhe: «Homem de pouca fé, porque duvidaste?». Logo que subiram para o barco, o vento amainou. Então, os que estavam no barco prostraram-se diante de Jesus, e disseram-Lhe: «Tu és verdadeiramente o Filho de Deus».
Palavra da salvação.