É DIFÍCIL ACEITAR O PROJECTO DE DEUS – É S.Paulo numa das suas cartas que afirma querer o bem que não é capaz de fazer e odiar o mal que acaba por realizar. Poderia dizer-se que esta é a síntese da Liturgia deste domingo, uma vez que nos três textos aparece o projecto de Deus que, nas diversas circunstâncias, os humanos não são capazes de levar a bom termo. É isto que acontece com o profeta Ezequiel quando, ao chamá-lo, Deus lhe diz que é enviado a um povo rebelde. De facto, o próprio Povo de Deus tinha muita dificuldade em ser fiel ao que Deus lhe pedia (1ª leitura). Quando Jesus entra na sua cidade de Nazaré, e se encontra com os seus concidadãos na sinagoga, todos se admiram com a sua doutrina e com os milagres que fazia. Porém, não aceitavam as orientações que Ele propunha. Isto levou Jesus a dizer que ninguém é profeta na sua terra (Evangelho). Finalmente, até o próprio Paulo Apóstolo sente o “aguilhão da carne”, isto é, as tendências para o mau agir, inclinações contra as quais lutou a vida inteira para ser fiel ao projecto de Deus (2ª leitura).

1. Vocação e missão de Ezequiel
Ezequiel é chamado por Deus para transmitir ao povo as suas mensagens. É a voação do profeta, o que o levará a falar em nome de Deus a um povo marcado por um grande sofrimento, mas também com dificuldade de aceitar as exigências de Deus. A missão de Ezequiel não é fácil porque vai dirigir-se a um povo rebelde. Aliás, quer no caminho do deserto, depois da libertação do Egipto, quer no tempo do cativeiro, na Babilónia, foi sempre frequente o povo revoltar-se contra Deus. É a tentação do regresso ao Egipto ou a sensação de abandono como se Deus estivesse longe, é sempre a rebeldia de um povo que quer Deus ao seu serviço. A missão pacificadora de Ezequiel pretende reconquistar o Povo de Deus para o projecto do seu único Senhor. Ezequiel será profeta da esperança mas com a dureza das palavras essenciais para vencer a rebeldia do Povo.

2. Ninguém é profeta na sua terra
Em Nazaré, Jesus estava na sua terra. Todos o conheciam. Tinham acompanhado a sua vida até aos 30 e tal anos. Conheciam a sua família, a sua profissão, os seus amigos. Foi então uma surpresa vê-lo falar na sinagoga. S. Lucas no seu Evangelho dirá qual foi o tema do seu discurso: o Espírito Santo ungiu-O para dar a Boa Nova aos pobres (cf. Lc 4, 18). A mensagem é muito exigente, por isso, pela dificuldade em aceitá-la, os cidadãos de Nazaré preferem calar o profeta, afastá-l’O da cidade, porque a sua palavra era incómoda. Jesus então, afastou-se apenas com um lamento “ninguém é profeta na sua terra”. Curiosamente, nem milagres ali quis fazer. Seria sempre incompreendido.

3. Um espinho na carne
Muito se tem discutido sobre o aguilhão na carne de que fala S. Paulo. Em última análise, ele, simplesmente, reconhece-se como pecador. E é na sua luta contra o pecado que este seu grito se situa. Paulo vai ao ponto de considerar as razões do seu sofrimento, as fraquezas, as afrontas, as adversidades, as perseguições, as angústias, todo um rol de coisas que o perturbam e que o não deixam entregar-se completamente ao projecto que Deus reservara para si. Confia porém, sempre, quer na misericórdia de Deus para perdoar, quer na força de Deus para o ajudar a vencer. A vida de Paulo é, então, uma luta constante para atingir a perfeição sempre inacessível. É neste contexto que Paulo acaba por dizer: “quando sou fraco, então é que sou forte” (2 Cor 12, 10). A história de Paulo, como a história dos concidadãos de Nazaré, ou a história do Povo de Israel, tudo revela a dificuldade do homem em aceitar incondicionalmente e com alegria o projecto de Deus.

Monsenhor Vítor Feytor Pinto
********************************************************
LITURGIA DA PALAVRA:

«QUE SABEDORIA É ESTA QUE LHE FOI DADA?

NÃO É ELE O CARPINTEIRO, FILHO DE MARIA?»

(Mc 6, 2-3)

I LEITURA – Ez 2, 2-5

«São uma casa de rebeldes, mas saberão que há um profeta no meio deles»

Leitura da Profecia de Ezequiel
Naqueles dias, o Espírito entrou em mim e fez-me levantar. Ouvi então Alguém que me dizia: «Filho do homem, Eu te envio aos filhos de Israel, a um povo rebelde que se revoltou contra Mim. Eles e seus pais ofenderam-Me até ao dia de hoje. É a esses filhos de cabeça dura e coração obstinado que te envio, para lhes dizeres: ‘Eis o que diz o Senhor’. Podem escutar-te ou não – porque são uma casa de rebeldes –, mas saberão que há um profeta no meio deles».
Palavra do Senhor.

SALMO – 122 (123), 1-2a.2bcd.3-4 (R. 2cd)

Refrão: Os nossos olhos estão postos no Senhor, até que Se compadeça de nós. Repete-se

Levanto os meus olhos para Vós,
para Vós que habitais no Céu,
como os olhos do servo
se fixam nas mãos do seu senhor. Refrão

Como os olhos da serva
se fixam nas mãos da sua senhora,
assim os nossos olhos
se voltam para o Senhor nosso Deus,
até que tenha piedade de nós. Refrão

Piedade, Senhor, tende piedade de nós,
porque estamos saturados de desprezo.
A nossa alma está saturada do sarcasmo
dos arrogantes
e do desprezo dos soberbos. Refrão

II LEITURA – 2 Cor 12, 7-10

«Gloriar-me-ei nas minhas fraquezas, para que habite em mim o poder de Cristo»

Leitura da Segunda Epístola do apóstolo S. Paulo aos Coríntios
Irmãos: Para que a grandeza das revelações não me ensoberbeça, foi-me deixado um espinho na carne, – um anjo de Satanás que me esbofeteia – para que não me orgulhe. Por três vezes roguei ao Senhor que o apartasse de mim. Mas Ele disse-me: «Basta-te a minha graça, porque é na fraqueza que se manifesta todo o meu poder». Por isso, de boa vontade me gloriarei das minhas fraquezas, para que habite em mim o poder de Cristo. Alegro-me nas minhas fraquezas, nas afrontas, nas adversidades, nas perseguições e nas angústias sofridas por amor de Cristo, porque, quando sou fraco, então é que sou forte.
Palavra do Senhor.

ALELUIA – cf. Lc 4, 18

Refrão: Aleluia. Repete-se

O Espírito do Senhor está sobre mim:
Ele me enviou a anunciar o Evangelho aos pobres. Refrão

EVANGELHO Mc 6, 1-6

Orgulhosos, os habitantes de Nazaré recusam-se a aceitar Jesus.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
Naquele tempo, Jesus dirigiu-Se à sua terra e os discípulos acom¬panharam-n’O. Quando chegou o sábado, começou a ensinar na sinagoga. Os numerosos ouvintes estavam admirados e diziam: «De onde Lhe vem tudo isto? Que sabedoria é esta que Lhe foi dada e os prodigiosos milagres feitos por suas mãos? Não é Ele o carpinteiro, filho de Maria, e irmão de Tiago, de José, de Judas e de Simão? E não estão as suas irmãs aqui entre nós?». E ficavam perplexos a seu respeito. Jesus disse-lhes: «Um profeta só é desprezado na sua terra, entre os seus parentes e em sua casa». E não podia ali fazer qualquer milagre; apenas curou alguns doentes, impondo-lhes as mãos. Estava admirado com a falta de fé daquela gente. E percorria as aldeias dos arredores, ensinando.
Palavra da salvação.