Na vida dos cristãos põe-se muitas vezes o problema da prioridade a dar. Muitos preferem a oração à acção e outros, ao contrário, perdem-se em atividades esquecendo completamente o tempo de oração.

O diálogo de Jesus com Marta e Maria na casa de Betânia é revelador da unidade de vida que deve ter em conta não somente a contemplação, mas também a acção. Maria estava numa atitude contemplativa, aos pés de Jesus, escutando a Sua Palavra. Marta, dedicava-se aos trabalhos domésticos para poder servir o Senhor que estava em sua casa. As duas situações eram reveladoras de uma grande intimidade com Cristo, ambas eram indispensáveis. No contexto deste Evangelho, compreende-se então, que não é suficiente a oração como insuficiente é também a acção. As duas se completam na unidade de vida do cristão. Os exegetas traduzindo dos textos originais, dizem que Maria escolheu a “outra” parte, indispensável para o serviço de amor à Pessoa de Jesus. As duas irmãs, na comunhão da sua casa, contemplavam e serviam. Os cristãos têm de, pela oração, contemplar o Senhor e pela sua actividade, segundo o Evangelho, servi-l’O na sua relação com o mundo.

Lendo com atenção os outros dois textos da Palavra de Deus, repara-se que tanto Abraão como Paulo realizaram em si esta unidade de vida. Abraão contemplou Deus nos três homens que o surpreenderam quando estava junto ao carvalho de Mambré. Saudou-os e enalteceu neles a presença de Deus, mas depois prontificou-se a servi-los, indo buscar um vitelo ao seu rebanho para a refeição que lhes quis preparar (I leitura). Também Paulo quis completar em si o que faltava à Paixão de Cristo, numa atitude plena de comunhão com Cristo. Simultaneamente, porém, dedicou a sua vida ao anúncio da Palavra de Deus, realizando assim a missão de evangelizador (II leitura). Quer Abraão, quer Paulo, realizam em si próprios a mesma unidade de vida que Marta e Maria em conjunto realizaram, na sua casa de Betânia, acolhendo Jesus na contemplação e na acção.

Monsenhor Vitor Feytor Pinto

************************************************************************

«MARTA, MARTA, ANDAS INQUIETA E PREOCUPADA COM MUITAS COISAS,

QUANDO UMA SÓ É NECESSÁRIA.

MARIA ESCOLHEU A MELHOR PARTE; QUE NÃO LHE SERÁ TIRADA.»

(Lc 10, 41-42)

I LEITURA – Gen 18, 1-10a

A hospitalidade de Abraão é recompensada por Deus.

Leitura do Livro do Génesis
Naqueles dias, o Senhor apareceu a Abraão junto do carvalho de Mambré. Abraão estava sentado à entrada da sua tenda, no maior calor do dia. Ergueu os olhos e viu três homens de pé diante dele. Logo que os viu, deixou a entrada da tenda e correu ao seu encontro; prostrou-se por terra e disse: «Meu Senhor, se agradei aos vossos olhos, não passeis adiante sem parar em casa do vosso servo. Mandarei vir água, para que possais lavar os pés e descansar debaixo desta árvore. Vou buscar um bocado de pão, para restaurardes as forças antes de continuardes o vosso caminho, pois não foi em vão que passastes diante da casa do vosso servo». Eles responderam: «Faz como disseste». Abraão apressou-se a ir à tenda onde estava Sara e disse-lhe: «Toma depressa três medidas de flor da farinha, amassa-a e coze uns pães no borralho». Abraão correu ao rebanho e escolheu um vitelo tenro e bom e entregou-o a um servo que se apressou a prepará-lo. Trouxe manteiga e leite e o vitelo já pronto e colocou-o diante deles; e, enquanto comiam, ficou de pé junto deles debaixo da árvore. Depois eles disseram-lhe: «Onde está Sara, tua esposa?». Abraão respondeu: «Está ali na tenda». E um deles disse: «Passarei novamente pela tua casa daqui a um ano e então Sara tua esposa terá um filho».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL – Salmo 14 (15), 2-3a.3cd-4ab.5 (R. 1a)

Refrão: Quem habitará, Senhor, no vosso santuário? Repete-se

Ou: Ensinai-nos, Senhor:
quem habitará em vossa casa? Repete-se

O que vive sem mancha e pratica a justiça
e diz a verdade que tem no seu coração
e guarda a sua língua da calúnia. Refrão

O que não faz mal ao seu próximo,
nem ultraja o seu semelhante,
o que tem por desprezível o ímpio,
mas estima os que temem o Senhor. Refrão

O que não falta ao juramento mesmo em seu prejuízo
e não empresta dinheiro com usura,
nem aceita presentes para condenar o inocente.
Quem assim proceder jamais será abalado. Refrão

II LEITURA – Col 1, 24-28

S.Paulo, embora sujeito a maus tratos na prisão, exulta de alegria ao ver como Cristo se torna conhecido no mundo pagão.

Leitura da Epístola do Apóstolo São Paulo aos Colossenses
Irmãos: Agora alegro-me com os sofrimentos que suporto por vós e completo na minha carne o que falta à paixão de Cristo, em benefício do seu corpo que é a Igreja. Dela me tornei ministro, em virtude do cargo que Deus me confiou a vosso respeito, isto é, anunciar-vos em plenitude a palavra de Deus, o mistério que ficou oculto ao longo dos séculos e que foi agora manifestado aos seus santos. Deus quis dar-lhes a conhecer em que consiste, entre os gentios, a glória inestimável deste mistério: Cristo no meio de vós, esperança da glória. E nós O anunciamos, advertindo todos os homens e instruindo-os em toda a sabedoria, a fim de os apresentarmos todos perfeitos em Cristo.
Palavra do Senhor.

ALELUIA – cf. Lc 8, 15

Refrão: Aleluia. Repete-se

Felizes os que recebem a palavra de Deus
de coração sincero e generoso
e produzem fruto pela perseverança Refrão

EVANGELHO – Lc 10, 38-42

Marta e Maria.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, Jesus entrou em certa povoação e uma mulher chamada Marta recebeu-O em sua casa. Ela tinha uma irmã chamada Maria, que, sentada aos pés de Jesus, ouvia a sua palavra. Entretanto, Marta atarefava-se com muito serviço. Interveio então e disse: «Senhor, não Te importas que minha irmã me deixe sozinha a servir? Diz-lhe que venha ajudar-me». O Senhor respondeu-lhe: «Marta, Marta, andas inquieta e preocupada com muitas coisas, quando uma só é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada».
Palavra da salvação.