JESUS CRISTO, REI DO UNIVERSO – Antes de Jesus ser condenado à morte, Pilatos perguntou-lhe expressamente: «Tu és o Rei dos Judeus?» (Mt 27,11) Jesus respondeu sem rodeios: «Tu o dizes.» (Idem) Esta pergunta e esta resposta aparecem nos mesmos termos nos três sinópticos. O Evangelho de João acrescenta: «Mas o meu Reino não é deste mundo; se o meu Reino fosse deste mundo, os meus servos teriam lutado para Eu não cair nas mãos das autoridades judaicas, mas o meu reino é diferente.» (Jo 18,26) No último domingo do ano litúrgico, a Igreja convida a refletir sobre a realeza de Cristo. Fá-lo através de uma imagem profética, com a história de David (cf. 2SM), também através de um diálogo muito vivo de Cristo com os seus companheiros de crucifixão (cf. Lc 23) e, finalmente, com a recitação de um hino à realeza de Jesus (Cf. CL 1).

O REINADO DE DAVID – David não era mais do que um pobre pastor de Belém, mas foi o escolhido de Deus. Todas as tribos o elegeram para dirigir os seus destinos. David aceita e é ungido como Rei de Israel. A vocação e a unção de David mais não são do que o anúncio profético de uma realeza, diferente, aquela em que o Messias, enviado por Deus, vai restaurar a Casa de Israel, vai construir a nova cidade de Jerusalém, vai erguer um templo aberto a toda a Humanidade. David é a imagem profética de Cristo, o Messias, Rei Senhor e Salvador.

UM REI CRUCIFICADO, JESUS – Quando se cumpriu o tempo, Jesus tornou-Se sinal de contradição. Crucificado entre dois malfeitores, um insulta-O, outro pede-lhe que o acolha. A repreensão veio do bom ladrão. De Cristo veio o perdão para os dois. Ao primeiro, porém, Jesus ainda pôde dizer: «Hoje mesmo estarás Comigo no Paraíso.» (Lc 23, 43)

O REINADO DE CRISTO – Paulo, na Carta aos Colossenses, entoará um hino a Cristo, Rei do Universo. «Ele é a imagem de Deus invisível: foi por Ele que Deus tudo criou; Ele é o primeiro, a origem de todos os ressuscitados; por Ele, tudo o que existe na Terra fica em paz com Deus.» (Cf. CL 1,15-20) Neste hino lindíssimo que a Igreja repete neste Domingo na liturgia aparecem os traços fundamentais da realeza de Cristo, com um conjunto de valores capaz de transformar radicalmente o mundo. É que o Reino de Cristo é como diz o prefácio das Missas, reino de verdade e de vida, reino de santidade e de graça, reino de justiça, de amor e de paz. Levar esta realeza de Cristo, ao coração da Humanidade iria transformar o nosso pequeno mundo em espaço de autêntica felicidade. «Seriam superadas as rixas, as brigas, as discórdias, as contendas, as emulações e os ciúmes, as seitas e as divisões.» (GL 5,19) Como repete S. Paulo, construir-se-ia um mundo de justiça, de compreensão, de entreajuda e de amor».
(Monsenhor Feytor Pinto)

***************************************************
LITURGIA DA PALAVRA

“JESUS LEMBRA-TE DE MIM,

QUANDO VIERES COM A TUA REALEZA»
                                                                                                        (Lc 23, 42)

I LEITURA – 2 Sam 5, 1-3

As tribos de Israel conferem a realeza a David, na esperança de que ele seja o artífice da unidade.

Leitura do Segundo Livro de Samuel
Naqueles dias, todas as tribos de Israel foram ter com David a Hebron e disseram-lhe: «Nós somos dos teus ossos e da tua carne. Já antes, quando Saul era o nosso rei, eras tu quem dirigia as entradas e saídas de Israel. E o Senhor disse-te: ‘Tu apascentarás o meu povo de Israel, tu serás rei de Israel’». Todos os anciãos de Israel foram à presença do rei, a Hebron. O rei David concluiu com eles uma aliança diante do Senhor e eles ungiram David como rei de Israel.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL – Salmo 121 (122), 1-2.4-5 (R. cf. 1)

Refrão: Vamos com alegria para a casa do Senhor. Repete-se

Alegrei-me quando me disseram:
«Vamos para a casa do Senhor».
Detiveram-se os nossos passos
às tuas portas, Jerusalém.  Refrão

Jerusalém, cidade bem edificada,
que forma tão belo conjunto!
Para lá sobem as tribos,
as tribos do Senhor.  Refrão

Para celebrar o nome do Senhor,
segundo o costume de Israel;
ali estão os tribunais da justiça,
os tribunais da casa de David.  Refrão

II LEITURA – Col 1, 12-20

Cristo é o senhor de todas as coisas. É o primogénito dos mortos. NEle reside toda a plenitude. Pelo seu Sangue, derramado na cruz, estabeleceu a reconciliação e a paz.

Leitura da Epístola do Apóstolo São Paulo aos Colossenses
Irmãos: Damos graças a Deus Pai, que nos fez dignos de tomar parte na herança dos santos, na luz divina. Ele nos libertou do poder das trevas e nos transferiu para o reino do seu Filho muito amado, no qual temos a redenção, o perdão dos pecados. Cristo é a imagem de Deus invisível, o Primogénito de toda a criatura; Porque n’Ele foram criadas todas as coisas no céu e na terra, visíveis e invisíveis, Tronos e Dominações, Principados e Potestades: por Ele e para Ele tudo foi criado. Ele é anterior a todas as coisas e n’Ele tudo subsiste. Ele é a cabeça da Igreja, que é o seu corpo. Ele é o Princípio, o Primogénito de entre os mortos; em tudo Ele tem o primeiro lugar. Aprouve a Deus que n’Ele residisse toda a plenitude e por Ele fossem reconciliadas consigo todas as coisas, estabelecendo a paz, pelo sangue da sua cruz, com todas as criaturas na terra e nos céus.
Palavra do Senhor.

ALELUIA – Mc 11, 9.10

Refrão: Aleluia.  Repete-se

Bendito O que vem em nome do Senhor!
Bendito o reino do nosso pai David!  Refrão

EVANGELHO – Lc 23, 35-43

Cristo na cruz. Realeza tão paradoxal que só é compreendida por um homem que está na cruz como Ele: «Jesus, lembra-Te de mim, quando vieres com a tua realeza»

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, os chefes dos judeus zombavam de Jesus, dizendo: «Salvou os outros: salve-Se a Si mesmo, se é o Messias de Deus, o Eleito». Também os soldados troçavam d’Ele; aproximando-se para Lhe oferecerem vinagre, diziam: «Se és o Rei dos judeus, salva-Te a Ti mesmo». Por cima d’Ele havia um letreiro: «Este é o Rei dos judeus». Entretanto, um dos malfeitores que tinham sido crucificados insultava-O, dizendo: «Não és Tu o Messias? Salva-Te a Ti mesmo e a nós também». Mas o outro, tomando a palavra, repreendeu-o: «Não temes a Deus, tu que sofres o mesmo suplício? Quanto a nós, fez-se justiça, pois recebemos o castigo das nossas más acções. Mas Ele nada praticou de condenável». E acrescentou: «Jesus, lembra-Te de Mim, quando vieres com a tua realeza». Jesus respondeu-lhe: «Em verdade te digo: Hoje estarás comigo no Paraíso».
Palavra da salvação.