IV DOMINGO DA PÁSCOA – 26 de Abril de 2015

Reinaldo Monteiro-Igreja do Bom Pastor-Brasil

«EU SOU O BOM PASTOR.

CONHEÇO AS MINHAS OVELHAS E ELAS CONHECEM-ME.

DOU A MINHA VIDA POR ELAS.»

(Jo 10, 14-15)

I LEITURA – I Actos 4, 8-12

S. Pedro proclama, que Jesus Cristo, a quem os homens rejeitaram, é a pedra fundamental da nova humanidade, é o Salvador esperado.

Leitura dos Actos dos Apóstolos
Naqueles dias, Pedro, cheio do Espírito Santo, disse-lhes: «Chefes do povo e anciãos, já que hoje somos interrogados sobre um benefício feito a um enfermo e o modo como ele foi curado, ficai sabendo todos vós e todo o povo de Israel: É em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, que vós crucificastes e Deus ressuscitou dos mortos, é por Ele que este homem se encontra perfeitamente curado na vossa presença. Jesus é a pedra que vós, os construtores, desprezastes e que veio a tornar-se pedra angular. E em nenhum outro há salvação, pois não existe debaixo do céu outro nome, dado aos homens, pelo qual possamos ser salvos».
Palavra do Senhor.

SALMO – 117 (118),1 e 8-9.21-23.26.28cd.29 (R. 22)

Refrão: A pedra que os construtores rejeitaram  tornou-se pedra angular. Repete-se

Ou: Aleluia Repete-se

Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom,
porque é eterna a sua misericórdia.
Mais vale refugiar-se no Senhor,
do que fiar-se nos homens.
Mais vale refugiar-se no Senhor,
do que fiar-se nos poderosos. Refrão

Eu Vos darei graças porque me ouvistes
e fostes o meu Salvador.
A pedra que os construtores rejeitaram
tornou-se pedra angular.
Tudo isto veio do Senhor:
é admirável aos nossos olhos. Refrão

Bendito o que vem em nome do Senhor,
da casa do Senhor nós vos bendizemos.
Vós sois o meu Deus: eu vos darei graças.
Vós sois o meu Deus: eu Vos exaltarei.
Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom,
porque é eterna a sua misericórdia. Refrão

II LEITURA – I Jo 3, 1-2

Somos filhos de Deus por acreditarmos em Jesus Cristo; mas esta situação só será, para nós, assumida conscientemente depois desta vida, só aí «O veremos como Ele é»

Leitura da Primeira Epístola de São João
Caríssimos: Vede que admirável amor o Pai nos consagrou em nos chamarmos filhos de Deus. E somo-lo de facto. Se o mundo não nos conhece, é porque não O conheceu a Ele. Caríssimos, agora somos filhos de Deus e ainda não se manifestou o que havemos de ser. Mas sabemos que, na altura em que se manifestar, seremos semelhantes a Deus, porque O veremos como Ele é.
Palavra do Senhor.

ALELUIA – Jo 10, 14

Refrão: Aleluia. Repete-se

Eu sou o bom pastor, diz o Senhor:
conheço as minhas ovelhas
e as minhas ovelhas conhecem-Me. Refrão

EVANGELHO – Jo 10, 11-18

A Alegoria do Bom Pastor.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, disse Jesus: «Eu sou o Bom Pastor. O bom pastor dá a vida pelas suas ovelhas. O mercenário, como não é pastor, nem são suas as ovelhas, logo que vê vir o lobo, deixa as ovelhas e foge, enquanto o lobo as arrebata e dispersa. O mercenário não se preocupa com as ovelhas. Eu sou o Bom Pastor: conheço as minhas ovelhas e as minhas ovelhas conhecem-Me, do mesmo modo que o Pai Me conhece e Eu conheço o Pai; Eu dou a vida pelas minhas ovelhas. Tenho ainda outras ovelhas que não são deste redil e preciso de as reunir; elas ouvirão a minha voz e haverá um só rebanho e um só Pastor. Por isso o Pai Me ama: porque dou a minha vida, para poder retomá-la. Ninguém Ma tira, sou Eu que a dou espontaneamente. Tenho o poder de a dar e de a retomar: foi este o mandamento que recebi de meu Pai».
Palavra da salvação.

O BOM PASTOR

Quem algum dia entrou nas Catacumbas de S. Calisto, em Roma, recorda certamente a imagem do Bom Pastor que é um ícone de Cristo Ressuscitado. Na cultura pagã, era impensável um Deus crucificado. Por isso, os cristãos de Roma quiseram conceber uma imagem que revelasse um Deus cheio de amor. Os deuses pagãos, na concepção romana estavam possuídos de violência, para fazerem justiça. O Deus dos cristãos, na Pessoa de Jesus Cristo, era um Deus cheio de amor. Esta ideia passou de geração em geração e no 4º domingo de Páscoa a Igreja celebra sempre o Dia do Bom Pastor. O Evangelho oferece muitos sinais reveladores do amor que o pastor tem pelas ovelhas e da beleza da resposta que as ovelhas dão à ternura do pastor. São frases em catadupa sobre o conhecimento recíproco e a preocupação do pastor pelo bem-estar das suas ovelhas. Chama-se a esta página do Evangelho a alegoria do Bom Pastor (Evangelho). Na sua primeira Carta, João transpõe esta alegoria para a relação dos homens com Deus. E, de tal maneira, que afirma os homens como Filhos adoptivos de Deus (2ª leitura). Toda a salvação procurada pelos homens sob o olhar de Deus se realiza em nome de Jesus. É este o contexto do discurso de Pedro ao Povo quando, no templo, refere que a pedra que foi rejeitada se tornou pedra angular, com a garantia que não há salvação em nenhum outro, senão em Jesus Cristo.

1. O Bom Pastor
Jesus começa por dizer, neste Evangelho que é Ele o Bom Pastor. Depois caracterizam-se as relações do pastor com as ovelhas: o pastor dá a vida por elas, conhece-as pelo seu nome, tem um amor completamente gratuito, elas conhecem a sua voz e elas seguem-n’O. O Bom Pastor que não é mercenário, vai à procura de alguma que se perde, e tem uma única preocupação: que haja um só rebanho e um só pastor. Nesta alegoria lindíssima estão definidas as nossas relações pessoais com Jesus. Ele dá a vida por cada um de nós. Ele conhece-nos em pormenor. Procura-nos se nos perdemos, acolhe-nos no regresso, integra-nos na unidade de uma vida que, sendo d’Ele, é partilhada na comunhão com todos. Com razão este Evangelho é considerado padrão de vida para os sacerdotes, pastores na Igreja de Deus, porque a sua missão é precisamente esta: estar disponível para todos em todo o tempo e lugar, até que haja um só rebanho e um só Pastor.

2. Todos somos Filhos de Deus
Jesus, na sua vinda, veio construir um novo Povo de Deus. Ele recebe-nos como Filhos adoptivos em Jesus Cristo Senhor, Filho Unigénito. É assim que nasce a Igreja onde todos se referem a Cristo Cabeça, defendem a dignidade e a liberdade dos filhos de Deus, têm como mandamento único o amor, e constroem a felicidade de todos. A realidade do Povo de Deus, porém, só se realiza plenamente na Casa do Pai, na comunidade definitiva.

3. A pedra angular
É muito bonito este discurso de Pedro no capítulo 4 dos Actos dos Apóstolos. O importante não são os templos de pedra, mas o Templo vivo da comunidade cristã que está a nascer. A pedra angular deste Templo novo seria Jesus Cristo reconhecido como Messias e Salvador, mas os construtores, o Povo de Deus, rejeitaram-n’O. Ele porém, tornou-se a pedra de assento, a partir da qual, através dos séculos o novo Povo de Deus vai sendo construído. Todos os cristãos somos pedras vivas deste Templo, assim saibamos ser fieis à pedra angular, à referência fundamental que é Jesus Cristo.

Monsenhor Vítor Feytor Pinto

Comments are closed.